A COMUNIDADE, NOSSO DIA COM O SENHOR: ORAÇÕES E TRABALHOS

A realidade do "aqui e agora", para uma filha de Santa Clara, pode ser encontrada no Evangelho: " O Reino de Deus é semelhante a um negociante que procura pérolas preciosas. Encontrando uma de grande valor, vai, vende tudo o que possui e a compra". (Mt 13,45-46)
"Eis o Esposo! Ide ao seu encontro! E as virgens levantaram-se todas e prepararam suas lâmpadas!"

Uma hora de meditação precede a Santa Missa das 07:00 horas, centro e cume de nossa vida, seguida da ação de graças pelo alimento espiritual e de nossa primeira refeição material. "Eu sou o pão da vida...quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele". (Jo 6,35.56).

"Feliz decerto és tu que podes participar deste banquete sagrado para unir-te com todas as fibras do coração Áquele que é o esplendor da glória."

Após o desjejum, iniciamos os trabalhos referentes aos cuidados com a casa do Pai e da Comunidade: jardins, horta, do preparo da alimentação, costura e confecção de paramentos, artesanato, limpezas, revezando-nos na adoração Eucarística. Durante o dia, cada Irmã, tem seu tempo pessoal para a adoração ao Santíssimo.
Às 09:00 horas, os trabalhos são interrompidos para invocarmos a bênção do Espírito Santo sobre toda a Igreja, durante a oração do segundo Ofício do dia, chamado de Tércia. "É o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece: mas vós o conhecereis porque permanecerá convosco e estará em vós" (Jo 14,17).

"Que tua vida seja um louvor ao Senhor". (Santa Clara)

Todas as Irmãs, sempre com o coração voltado para o Senhor, pedem: "Senhor, ensina-nos a orar".

"Não perca de vista seu ponto de partida, conserve o que você tem, faça o que está fazendo e não o deixe". (Santa Clara)

A voz do sino chama-nos para as orações das 12 horas e o terceiro Ofício do dia, seguida de nossa principal refeição, acompanhada de leitura espiritual. "Tenho um alimento para comer que vós não conheceis. Meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou e cumprir a sua obra" (Jo 4,32.34).

"Desse modo também você vai experimentar o que sentem os amigos quando saboreiam a doçura escondida que o próprio Deus reservou desde o início para os que O amam." (Santa Clara)

Após o almoço, os serviços domésticos e um tempo livre para um pequeno descanso e estudos. Às 15 horas, o sino nos chama para a oração do quarto Ofício do dia, seguido de uma hora de recreação, quando no Mosteiro ecoam as risadas da partilha fraterna, a alegria de sermos amadas. "Como o Pai me ama, assim também eu vos amo. Perseverai no meu amor... disse-vos estas coisas para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja completa". (Jo15,9.11)

"Eu me alegro de verdade e ninguém vai poder roubar-me esta alegria..." (Santa Clara)

Os trabalhos prosseguem durante a tarde, em “espírito de oração e devoção”, no silêncio evangélico que nos mantém unidas ao Esposo.

Às 17 horas, novamente o sino badala, alegrando-nos pela graça de nos dirigirmos novamente ao Coro de Ofício para a oração comunitária. Aí rezamos entregando nosso dia ao Senhor, pela quinta oração do Ofício Divino, seguida da oração do "Ângelus" às 18 horas, que precede o Ofício de Vésperas, o sexto do dia.
Após uma refeição simples, o serviço da louça, recitamos o sétimo Ofício, que encerra nossas atividades de mais um dia na alegria do Senhor, preparando-nos para o repouso noturno. O descanso da noite é oferecido no último Ofício Divino – Completas – pela expressão: "Salvai-nos, Senhor, quando velamos, guardai-nos também quando dormimos; nossa mente vigie com o Cristo, nosso corpo repouse em sua paz".

"Ora e vigia sempre, completa apaixonadamente a obra que começaste" (Santa Clara)