VOCAÇÃO

Para quem quer abraçar esta vida, o principal requisito é determinado pela nossa Regra, na qual escreveu Santa Clara:
“Se alguma pessoa, por inspiração divina, vier ter conosco, querendo aceitar esta vida... examine sobre a fé católica e os sacramentos da Igreja; e se crer todas essas coisas e as quiser professar com firmeza até ao fim da vida...diga-se-lhe a palavra do Santo Evangelho, que vá e venda todas as suas coisas e trate de as dar aos pobres...”

Portanto, faz-se imprescindível a inspiração do Espírito Santo, uma atração irresistível à entrega total a Deus, para que, “o Senhor que deu o bom começo, dê o crescimento e também a perseverança até o fim”... E Santa Clara continua ensinando: “Nossa fadiga aqui é breve,eterno é o prêmio...entregue fielmente a Deus o que prometeu e Ele retribuirá...olhe para o céu que nos convida, tome a cruz e siga o Cristo que vai à nossa frente...Ame com todo o coração a Deus e a seu Filho... abrace o Cristo pobre, como virgem pobre...Ore e vigie sempre”. (Santa Clara)

Testemunho de uma de nossas fundadoras: Madre Maria Francisca das Cinco Chagas, OSC

“Minha vocação foi, sobretudo, um trabalho silencioso. Tudo se desenrolou e veio à luz com poucas palavras, com muita escuta e com Deus só. Melhor dizendo, uma graça que se realizou no silêncio.”

“Eu continuo a recomeçar sempre, aquilo que entendi sobre o seguimento de Jesus Pobre. Ser clarissa, para mim, é ser aquela pobre e orante, que nada tem, a se desejar e a recusar, pedir ou se desculpar, mas que se entrega em total abandono nas mãos do Pai.